Selo Suíno Paulista

Selo Suíno Paulista

Produtores apostam no Selo Suíno Paulista para garantir qualidade


Zelar pela qualidade das granjas e, automaticamente, beneficiar o seu consumidor final é um dos anseios do Selo Suíno Paulista, projeto estadual que certifica a origem e garante as condições primordiais para suínos nascidos, criados, terminados e abatidos em São Paulo.

O selo contempla diversos aspectos, dentre eles cuidados com o processo produtivo, aspectos éticos (preservação ambiental, segurança do trabalho e evitar mão de obra infantil) envolvidos nas diferentes etapas, desde o nascimento até o transporte do animal para o abate.

A genética contribui para aquisição do selo garantindo alguns resultados zootécnicos mínimos exigidos pela certificação, tais como um peso mínimo ao nascimento de 1,4 kg e um peso médio no abate de 85 a 120 kg, com idade variando de 147 a 181 dias.
Além disso, tal certificação possui diretrizes ambientais, sociais e sanitárias capazes de elevar a eficiência produtiva e gerencial das granjas, trazendo inúmeros benefícios relacionados à garantia de qualidade do produto e à rastreabilidade, o que consequentemente aumenta a confiança do mercado.
Em um mercado consumidor cada vez mais consciente e exigente, acredita-se que as granjas certificadas passarão a ser mais prestigiadas pelo consumidor interno e externo, agregando valor ao produto.

O produtor Antônio Ianni realiza auditoria em sua granja e sua expectativa é de que, com o selo suíno paulista, sua granja possa aumentar sua produtividade e ficar mais organizada, minimizando custos ou prejuízos. Ele acredita que até julho consiga a certificação.

O produtor Matheus Bressiani também realiza auditoria em sua granja. “Com o selo, além de uma boa organização na granja, vamos conseguir deixar as regras mais claras aos funcionários e almejar um mercado diferenciado, mostrando a qualidade do produto e agregando valor”. Ele prevê que dentro de dois a três meses possa conseguir o selo.

O criador Carlos Alberto Cunha, que já obteve o selo de certificação, diz que uma das vantagens é organizacional dentro da granja. “Os funcionários estão mais envolvidos com o processo, cada um sabe o porquê de cada detalhe que tem na granja, cada produto usado, até a papelada ficou mais organizada. Agora, quanto ao mercado, ainda não consegui convencer meu comprador a pagar alguma coisa a mais por ter o selo suíno, mas, se houver mais gente com o selo, acredito que o mercado pagará mais”.

O selo trará aos produtos suínos maior agregação de valor como nossa meta principal”, destaca o presidente da APCS, Valdomiro Ferreira Júnior. “Vários tópicos constam da normatização para a estabelecimento do selo, como rastreabilidade, alimentação, bem-estar animal e tratamento de dejetos, entre outros”. Segundo ele, o selo levará aos consumidores garantias totais da produção da carne suína produzida no estado de São Paulo. “São normas rigorosas, pois privilegiamos a qualidade em detrimento à quantidade de granjas aptas a receberem o selo”.

 

Fonte: APCS
Publicado em 21/5/2012

Setor de Indústrias Gráficas (SIG), Quadra 01 – Ed. Barão do Rio Branco, sala 118 | CEP: 70.610-410 | Brasília - DF
Telefone: (61) 3030-3200
Design: Conectando Pessoas